Rui intensifica agenda para dar visibilidade a Denice e causa ciumeira na base

                                                                                  Foto: Reprodução

 

O governador Rui Costa (PT) tem intensificado a agenda ao lado da pré-candidata do PT à prefeitura de Salvador, Major Denice (PT). Nas duas últimas semanas, o gestor permaneceu durante algumas horas em lives ao lado da ex-comandante da Ronda Maria da Penha. Inclusive, tem deixado para fazer anúncios importantes durante esses encontros para gerar algum fato político que renda exposição da novata na mídia.

A postulante tem enfrentado uma maré de baixa visibilidade e isolamento político na base de apoio de Rui. Nos bastidores, há um movimento dos demais pré-candidatos para isolar a dupla durante a campanha. Olívia Santana, pré-candidata do PCdoB, já declarou publicamente que não quer mais saber de conversa com o PT e tratou de fechar uma aliança com o PP. Lídice da Mata (PSB) negocia com o Podemos e a Rede. O Pastor Sargento Isidório, pré-candidato do Avante, que apareceu como líder em pesquisas recentes, descarta qualquer possibilidade de integrar a vice do PT. “Por que eu tenho que me arreganhar para eles?”, tem dito o histriônico deputado federal, nos bastidores.

No momento, o PSD se mostra como a última esperança para que Denice garanta um partido robusto na base. Os senadores Otto Alencar e Angelo Coronel, no entanto, não embarcarão tão facilmente no bote petista. Consultado pela reportagem, o segundo foi enfático: “Quem quer apoio tem que estar aberto também a apoiar”. Pelo histórico petista, dificilmente o partido abrirá mão da cabeça de chapa na campanha. Pesa também contra Denice o alinhamento entre Rui Costa e o prefeito ACM Neto (DEM) nas ações contra a Covid-19. A pré-candidata está impedida de fazer ataques mais agressivos contra a gestão municipal e foi aconselhada a fazer uma campanha propositiva, mostrando as qualidades que possui e evitando expor eventuais fragilidades do pré-candidato com quem pretende polarizar: Bruno Reis (DEM).

A exposição de Rui ao lado de Denice também tem gerado ciumeira entre os outros aliados, já que o chefe do Palácio de Ondina havia se comprometido a subir ao palanque de todos os pré-candidatos da base. Em retaliação, os demais postulantes não devem mencioná-la durante os debates. Pesa a favor de Denice, por outro lado, o provável adiamento das eleições e a militância que vota cegamente no PT independentemente de quem seja o cabeça de chapa. Militantes históricos avaliam que o partido sempre começa com 30% de votos garantidos em qualquer eleição. Para ter mais visibilidade, ela precisará de um partido robusto na base, o que torna no momento crucial a eventual aliança com o PSD, que lastro de tempo de televisão e fundo partidário.

CRÍTICA

Na live do último fim de semana, Rui Costa citou o trabalho feito pela sua gestão para aumentar a atenção básica na capital baiana, com políticas de prevenção, inauguração de novas unidades básicas, UPAs, policlínicas, do Hospital Metropolitano e também dos hospitais regionais no interior, colocando em prática a política de regionalização da saúde que leva o atendimento de alta complexidade para os municípios distantes e ajuda a aliviar a demanda sobre o sistema soteropolitano. E fez uma crítica leve contra a gestão de Neto. “Salvador ainda é uma das cidades com menor cobertura de atenção básica na Bahia. Qualquer governo que pretenda melhorar a saúde pública na capital tem que colocar como meta ultrapassar 50% de cobertura. Praticamente todos os municípios do estado, pequenos, médios ou grandes, já bateram essa meta. E em Salvador ainda estamos chegando perto dos 40%, com um grande caminho pela frente, de alcançar os outros 60%”, analisou o governador da Bahia. As informações são do jornal Tribuna da Bahia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.