Circulação de dinheiro em espécie aumenta durante pandemia, diz estudo

                                                                                     Foto: Sérgio Lima

 

Apesar da discussão no mercado sobre o fim do dinheiro em espécie e das moedas com as inovações tecnológicas, há 1 forte aumento do papel moeda em circulação no mundo. Mesmo a pandemia de covid-19 que forçou o isolamento social não foi motivo para evitar essa alta.

A conclusão é de 1 estudo britânico –com direitos reservados–, publicado na SSRN (Social Science Reserach Network) em 29 de junho. No Brasil, por exemplo, o percentual de dinheiro disponível em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) subiu de 8% para 24% de fevereiro a abril.

Embora o confinamento social tenha aumentado o volume de compras por meios virtuais, os pesquisadores afirmam que a mudança no comportamento dos consumidores não compensou o acúmulo de notas movido pelo “pânico”.

“Enquanto as paralisações econômicas e o aumento do uso do varejo online estão atualmente diminuindo a função tradicional do dinheiro como meio de troca, parece que isso está sendo mais do que compensado pela acumulação de notas provocada pelo pânico”, escrevem os autores do estudo.

No centro da discussão está o avanço tecnológico nos meios de pagamentos, que agora permitem que sejam efetuadas compras até pelo celular. Isso poderia tornar obsoleto o dinheiro em papel.

O Brasil obteve o maior percentual de dinheiro em circulação em proporção do PIB em abril: 24%. Em janeiro e fevereiro, na pré-crise, esteve em torno de 8%. Parte disso é explicado pelos pagamentos do auxílio emergencial, também conhecido como coronavoucher.

O Banco Central confirma que há mais recursos em papel moeda no mercado. Em 9 de julho, último dado disponível, havia 8,27 bilhões de cédulas em circulação no Brasil. Valiam R$ 333,5 bilhões. No mesmo dia de fevereiro –período pré-crise– eram 6,79 bilhões que custavam R$ 259,1 bilhões.

De acordo com o Banco Central, a quantidade de dinheiro em circulação foi alterada de forma significativa com a pandemia de covid-19, criando 1 movimento de entesouramento da população.

“O entesouramento em questão pode ser consequência de 3 fatores: saques por pessoas e empresas para formação de reservas, diminuição do volume de compras no comércio em geral e, ainda, retenção de parcela considerável dos valores pagos em espécie aos beneficiários dos auxílios emergenciais, que teria sido preservada e ainda não retornou ao comércio e ao sistema bancário”, informou o BC.

De acordo com o estudo, a Suécia observou queda na participação das cédulas nas transações em relação ao PIB do país. Mas o movimento é contrário em outros países depois da crise financeira de 2008. Quando se percebeu que a covid-19 teria 1 efeito significativo e prejudicial para a economia, houve uma corrida atrás de dinheiro.

O aumento de dinheiro em circulação foi notável em, pelo menos, 9 países: no Brasil, nos Estados Unidos, no Canadá, na Itália, na Espanha, na Alemanha, na França, na Austrália e na Rússia.

Em uma semana de maio, os Estados Unidos teve crescimento de 0,9% na circulação de dinheiro em espécie, o que corresponde ao maior aumento semanal já registrado desde o início de 2000. Teve altas consecutivas em março, abril e maio: 1,1%, 2,1% e 2%, respectivamente.

O percentual de circulação da moeda em relação ao PIB do país norte-americano chegou a 11% até a 1ª semana de junho. Está próximo do patamar atingido na crise econômica mundial de 2008.

“Para colocar esses números em algum contexto, o aumento médio anual de dinheiro em circulação ficou em torno de 7% na última década –o que, por si só, é bastante alto e consistente com 1 aumento da relação moeda-PIB”, disse o estudo.

No Canadá, a moeda em circulação passou de 3% do PIB do país no fim de fevereiro para acima de 10% no fim de junho e ultrapassou o pico registrado na crise de 2008.

Também houve grande aumento na Zona do Euro. Houve registro de aumento semanal de 1,5% em março, o que corresponde ao maior ganho em 7 dias desde dezembro de 2008. “Os aumentos percentuais mensais de 2,8% e 1,5% em março e abril, respectivamente, foram cerca de 3 e 2 vezes, respectivamente, o aumento mensal comparável com a década anterior”, afirma o estudo.

Os pesquisadores disseram ser provável que houve outro grande aumento em maio (cujos dados ainda não estão disponíveis).

A nota de 200 euros, por exemplo, apesar de representar 7% do valor do estoque de notas em circulação, teve 30% de alta de março a abril.

“A taxa de ganho anual em moeda corrente em circulação subiu atualmente para cerca de 10% do PIB na 1ª semana de junho. Este valor ainda está abaixo do pico de cerca de 15% após a crise financeira”, declarou o estudo.

“Para colocar esses números em algum contexto, o aumento médio anual de dinheiro em circulação ficou em torno de 7% na última década –o que, por si só, é bastante alto e consistente com 1 aumento da relação moeda-PIB”, disse o estudo.

No Canadá, a moeda em circulação passou de 3% do PIB do país no fim de fevereiro para acima de 10% no fim de junho e ultrapassou o pico registrado na crise de 2008.

Também houve grande aumento na Zona do Euro. Houve registro de aumento semanal de 1,5% em março, o que corresponde ao maior ganho em 7 dias desde dezembro de 2008. “Os aumentos percentuais mensais de 2,8% e 1,5% em março e abril, respectivamente, foram cerca de 3 e 2 vezes, respectivamente, o aumento mensal comparável com a década anterior”, afirma o estudo.

Os pesquisadores disseram ser provável que houve outro grande aumento em maio (cujos dados ainda não estão disponíveis).

A nota de 200 euros, por exemplo, apesar de representar 7% do valor do estoque de notas em circulação, teve 30% de alta de março a abril.

“A taxa de ganho anual em moeda corrente em circulação subiu atualmente para cerca de 10% do PIB na 1ª semana de junho. Este valor ainda está abaixo do pico de cerca de 15% após a crise financeira”, declarou o estudo.

Na Rússia, o dinheiro em circulação aumentou de 6,5% para 17% do PIB de fevereiro a abril. Na Austrália, de 4% para 9%. As informações são do site Poder 360.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.