Turismo calcula as perdas e planeja volta

                                                                                Foto: Felipe Iruatã

 

Desde março, quando a pandemia chegou ao Brasil, os proprietários de empresas relacionadas ao turismo na Bahia lamentam uma perda de R$ 7,3 bilhões, enquanto preparam a retomada, caso a infecção regrida.

Participaram do negativo cálculo a equipe de servidores da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE): em todo o Brasil os donos de operadoras, agências, hotéis e outros estabelecimentos registram perda de R$ 153 bilhões.

O Brasil tem operado com 14% de sua capacidade de receita, tomando como base o período entre março e o mês de julho, mas, apesar dos esforços do setor para tentar reduzir o impacto das perdas, as projeções são incertas.

Entre as medidas protetivas visando reduzir o ritmo de expansão da doença, a circulação e aglomeração de pessoas tornam o turismo impraticável, impossibilitando a marcação de viagens.

Pernambuco, com perda de R$ 4,4 bilhões, e Ceará, R$ 3,3 bilhões, também estão relacionados como os estados mais impactados no Nordeste. No Brasil, São Paulo, com R$ 55 bilhões, e Rio, com metade deste valor, lideram a fila dos empresários queixosos.

Embora junho tenha sido um mês auspicioso, com o crescimento de 19% em todo o país, mesmo considerando o cancelamento das festas de São João no Nordeste, o declínio da atividade alcança os 59%, no geral do país, tendo como base o percentual do ano anterior.

A situação é inusitada a ponto de municípios turísticos terem montado barreiras à entrada das sedes, em uma inversão total da estratégia de atração de pessoas para os passeios.

100 anos de Odebrecht

Ficou definido o site como o abrigo virtual para o acervo reunido do fundador do grupo brasileiro Odebrecht, tido como um dos mais atuantes do mundo em obras de construção civil. Os cidadãos baianos já não têm mais desculpa para conhecer a história de um de seus principais empresários, ao completar o centenário de nascimento de Norberto Odebrecht, no próximo dia 9 de outubro. Os conteudistas trabalham com fontes de informação confiáveis para representar o mais fidedignamente possível a realidade vivida pelo pernambucano formado pela Escola Politécnica da Ufba. O site recupera a memória dos dois parceiros do fundador, Francisco Valladares e Otto Schaeppi, junto aos quais Odebrecht fez a empresa ganhar projeção. As  informações são do jornal A Tarde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.