Bolsonaro, Maia e Alcolumbre defendem teto e reformas depois de ‘debandada’

                                                                                         Foto: Sérgio Lima

 

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), defendeu a manutenção do teto de gastos públicos e de reformas econômicas depois de reunião no Palácio da Alvorada, nesta 4ª feira (12.ago.2020).

“Nós respeitamos o teto dos gastos. Queremos a responsabilidade fiscal. E o Brasil tem como realmente ser 1 daqueles países que melhor reagirá à questão da crise. Assuntos variados foram tratados, como privatizações, outras reformas como a administrativa”, disse Bolsonaro.

Ele afirmou que haverá 1 esforço conjunto para “destravar a economia“. Participaram da reunião os ministros da Economia, Paulo Guedes; do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Além deles, estavam presentes o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO); o ex-líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO); o novo líder do governo na Casa, Ricardo Barros (Progressistas-PR); e o líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL).

Alcolumbre disse que o Congresso nunca virou as costas para o governo quando este precisou aprovar matérias importantes para o país. O senador definiu o encontro como uma reunião para “nivelar informações”.

“Eu registro que o Parlamento, o Congresso brasileiro nunca faltou ao governo. A gente conseguiu avançar muito nesse 1 ano e meio… e dar as respostas que o governo, nas propostas encaminhadas, esperava do Congresso Nacional”, completou.

Maia refirmou o compromisso de todos os presentes com o teto de gastos públicos e com a boa qualidade dessas despesas. Ele disse, entretanto, que há muito o que fazer, citando a reforma administrativa.

“A reforma administrativa, que eu espero que, assim que o presidente entender importante, a Câmara dos Deputados está pronta para debater, para discutir e para aprovar uma reforma que tem apenas um objetivo.”

O presidente da Câmara dos Deputados já havia deixado 1 recado à equipe econômica do governo nesta 2ª feira (10.ago): vai barrar qualquer tentativa de burlar o teto de gastos.

Na mesma linha, nesta 3ª feira (11.ago), o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que descumprir teto de gastos pode levar ao impeachment de Bolsonaro.

“Não haverá nenhum apoio do Ministério da Economia a furar o teto. Se tiver ministro fura-teto, eu vou brigar com o fura-teto”, declarou ele. As informações são do site Poder 360.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.