“A Bahia está em último lugar na educação, os prefeitos ficam abandonados”, dispara Neto

net

Em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (19), o ex-prefeito ACM Neto (União Brasil), pré-candidato ao governo da Bahia, considerou “uma vergonha” o fato de a educação na Bahia ocupar os últimos lugares, de acordo com dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Segundo Neto, o que está acontecendo com o setor na Bahia “é uma vergonha, depois de 16 anos, e não há desculpa possível depois desse período, a Bahia estar em último lugar na educação do Brasil”. O pré-candidato também disse que há uma desconexão entre as realidades dos municípios e a do estado, o que, como salientou, dificulta o enfrentamento do problema.

Durante a entrevista, ACM Neto afirmou que “os prefeitos ficam abandonados. Precisa haver uma política ampla que interligue a educação e pense de forma conjunta no estado. Nossa educação sofre com números baixos no Ideb, que aponta a Bahia como a pior do Brasil”, disse. O ex-prefeito associou os índices educacionais ruins à escalada da violência no estado. “Se a educação estivesse indo bem, a segurança não estaria indo tão mal. A educação ir mal é condenar nossas crianças e nossos jovens”, explicou.

O pré-candidato do União Brasil afirmou que a Bahia tem quatro das dez cidades mais violentas do país e criticou as posturas do governador Rui Costa e do ex-governador Jaques Wagner. “Esse jogo a gente não vai mudar sem uma mudança de postura do governador. Com todo respeito, ao ex-governador Jaques Wagner e atual governador Rui Costa, eles não encararam o problema da violência de frente. Eu vi o governador dizendo, esses dias, que o problema era internacional. Pelo amor de Deus! Não estamos na Ucrânia, onde uma guerra sangrenta e odiosa mata pessoas. Estamos na Bahia”, frisou.

Dentre os caminhos para resolver o problema da insegurança pública, Neto apontou a necessidade de realizar concursos públicos – apontou que há déficit de pelo menos 20 mil policiais na Bahia – e que há condições desiguais para o enfrentamento entre agentes de segurança e os criminosos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.