Ministros de Bolsonaro aumentam críticas a Guedes após episódios de Auxílio Brasil e Marcos Pontes

pauloguedes-300x179

Foto: Reprodução

 

 

Paulo Guedes (Economia) continua na mira de colegas na Esplanada, mesmo após ter cedido aos apelos de Jair Bolsonaro para propor um drible ao teto de gastos e chegar ao valor de R$ 400 de Auxílio Brasil.

Ao Painel, auxiliares descrevem o ministro como reativo em reuniões, pouco parceiro, alguém sem nenhuma liturgia e que se acha melhor do que os outros. Ainda assim, integrantes do governo afirmam que a chance de Guedes ser demitido pelo presidente é zero.

O ministro foi criticado por pares pelo teor da entrevista em que disse que integrantes da “ala política” sondaram nomes para substituí-lo. Também por ter chamado Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) de burro, como revelou o Painel. Como a coluna escreveu, líderes do centrão dizem que ele se mantém no cargo por falta de plano B

Na quarta (3), como mostrou o Painel, Guedes disse que falta eficácia na gestão de recursos e chamou colegas de incompetentes em reunião com deputados. No dia seguinte, o ministro procurou Ciro Nogueira (Casa Civil) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e tentou justificar a própria fala.

O espanto com as declarações de Guedes também foi relatado no Congresso. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), chamou deputados que estavam na reunião para pedir mais detalhes sobre o encontro. A avaliação de dirigentes políticos é que o centrão seguirá pressionando pela saída do ministro da Economia, mas que dificilmente isso ocorrerá, pelo menos no curto prazo.

Com informações de Painel/Folhapress

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.