Maia e Moro discutem em grupo de WhatsApp sobre projetos parados na Câmara

Foto: Reprodução/Veja

 

 

O ex-ministro da justiça Sergio Moro e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), discutiram em um grupo de WhatsApp sobre projetos parados na Casa Baixa, segundo informou o Portal R7. Apesar de publicado inicialmente na sexta-feira (16) pelo site, o link para o conteúdo parece ter sido removido.

Nos prints de conversas de um grupo que ambos fazem parte, Moro disse que os presidentes da Câmara prometeram, mas nunca pautaram projetos como o do fim do foro privilegiado e o da prisão depois de condenação em 2ª Instância.

Maia, por sua vez, rebate dizendo que a “2ª Instância” só não avançou na Câmara por causa da pandemia de covid-19. Já sobre o fim do foro privilegiado, o deputado declarou que o foro não tinha apoio, mas que quem impediu que o projeto avançasse foi a pressão de juízes e promotores.

“Foro de fato não tinha apoio, mas quem segurou foi a pressão de juízes e promotores que estão satisfeitos com a interpretação do Supremo que só resolveu foro para político”, escreveu. O debate começou com uma mensagem de Moro cobrando a Câmara: “Fim do foro privilegiado e volta da execução em 2ª Instância. Congresso precisaria votar isso. Presidente atual e anteriores não pautaram”.

Maia responde: “Moro, não vou fazer este debate aqui com você”. Na sequência, Moro diz que não há o que debater porque é um fato, declaração que o deputado discorda.

Depois de ler a justificativa de Maia para o não andamento da proposta que acaba com o foro privilegiado, Moro continua: “Rodrigo, mantendo em alto nível, essas matérias bastava pautar e ver o que dava a votação, se elas são propostas por X ou Y, pouco importa. Importa se são boas ou não. O fato é que são boas e não foram pautadas”.

Maia escreve que política não é feita de decisões individuais e que o fim do foro não tinha apoio e que a 2ª Instância parou pela pandemia. Esta última afirmação é logo rebatida pelo ex-juíz.

“Desculpe, mas você passou 4 anos presidente da Câmara, não pautou porque não quis”, disse Moro. O deputado responde dizendo que não é verdade e explicando que a PEC da 2ª Instância foi apresentada em 2020, teve sua comissão especial criada, mas parou por conta da pandemia.

As informações são do site Poder360

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.