Dominguetti afirma à CPI que ex-diretor da Saúde pediu propina de US$ 1 por dose

                                                      Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil                                                                                                                                                                                                                                            

 

 

O cabo da PM de Minas Gerais e representante de vendas autônomo Luiz Paulo Dominguetti Pereira afirmou à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid nesta quinta-feira (1º) que o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias (na foto que ilustra esta matéria) cobrou propina de US$ 1 por dose para fechar um contrato por 400 milhões de vacinas da AstraZeneca com a Davati Medical Supply.

Ele foi convocado a depor na comissão depois de alegar, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, ter ouvido o pedido de vantagem indevida em um jantar em 26 de fevereiro deste ano em um restaurante na região central de Brasília.

Dominguetti disse ainda aos senadores que esteve 3 vezes no Ministério da Saúde para tratar da suposta oferta da vacina, inclusive com o ex-secretário-executivo da pasta Elcio Franco. Ele também citou os nomes do diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Laurício Monteiro Cruz, e do tenente-coronel Marcelo Blanco da Costa, dispensado na 4ª feira (30) da função de substituto eventual do diretor do Departamento de Logística do ministério.

Dominguetti diz que se apresentou como representante da Davati Medical Supply ao diretor Roberto Dias e ofertou 400 milhões de doses da AstraZeneca. Dias, por sua vez, teria pedido US$ 1 a mais por dose para firmar o acordo. As negociações cessaram depois da suposta negativa de Dominguetti.

Dias foi demitido do Ministério da Saúde menos de 24 horas depois das acusações se tornarem públicas. O ex-diretor afirma que sofre uma “retaliação” por Dominguetti não ter provado que representava a AstraZeneca – motivo pelo qual o contato com a Davati teria sido interrompido, de acordo com Roberto Dias.

As informações são do site Poder 360

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.