Caso não aceite ser vice de Bruno Reis, Geraldo Júnior deve indicar nome do Republicanos

                                                                                     Foto: Divulgação

 

Durante participação no programa Isso é Bahia, da rádio A TARDE FM, nesta quarta-feira, 8, o presidente da Câmara Municipal de Salvador (CMS), Geraldo Júnior (MDB), revelou que, caso deseje permanecer na Casa Legislativa para disputar o quarto mandato como vereador, vai indicar um nome do partido Republicanos para ocupar a vaga de vice na chapa do atual secretário de Obra de Salvador, Bruno Reis.

“Recebi a outorga do comando do bloco partidário que une o Solidariedade, PSC, PTB e MDB. Há 15 dias, tive uma conversa excelente com o Republicanos. Existem especulações dizendo que teria sido tirada a minha condição de preferência da escolha. Estive com o prefeito ACM Neto e hoje estarei com o vice-prefeito Bruno Reis, na Câmara, e eles reiteraram a preferencialidade do amigo a quem vos fala. Falei ontem, vou falar hoje, estou definindo esse processo e até agosto espero estabelecer essa definição”, explica Geraldo Júnior.

O presidente da Câmara Municipal também ressalta que, com a prorrogação da data das eleições, que serão realizadas nos dias 15 e 29 de novembro, ele também terá mais tempo para tomar a decisão. “Vou consultar a sociedade civil e meus eleitores. Quero deixar bem claro, na hipótese de eu não escolher compor a chapa e renovar meu mandato, a preferência será do partido Republicanos, deixo isso muito claro”, ressalta.

Defensor da retomada das atividades econômicas em Salvador, Geraldo Júnior têm dialogado e recebido demanda de vários setores empresariais da cidade. Ele encabeçou a luta pelo retorno das atividades das concessionárias e lojas de decorações, chanceladas pelo prefeito ACM Neto no mês passado.

Na última segunda, 6, o presidente da Câmara recebeu um grupo que representa mais de dois mil empresários da capital baiana. O vereador avalia que o protocolo de segurança estabelecido pela prefeitura e pelo Governo do Estado, ao não estabelecer datas para retomada, não atende às expectativas das atividades empresariais, dos comerciantes, mas pondera que é ‘complicado cuidar da vida, estabelecer critérios de isolamento social, confinamento para conter o novo coronavírus’.

Geraldo destaca o papel da CMS na intermediação dos diálogos entre o executivo municipal e os setores empresariais. Ele lembra que, além do retorno de concessionárias e lojas de decoração, foram incluidos açougues como atividade essencial na pandemia, diversos projetos aprovados para o combate ao novo coronavírus e a formação de comissões temáticas para analisar ações para pandemia e sobre problemas da cidade.

“Entendo as limitações que ocorrem para manter a vida e a economia. É um paradigma, o cuidado com a vida, ocupação de índices de modo a evitar o colapso no sistema de Saúde, mas temos que olhar e ter atenção especial para os empresários. Não há como manter a vida se não mantiver a economia. Precisamos manter a economia, o emprego, a circulação do dinheiro em Salvador e no estado da Bahia, e cuidar das pessoas. É preciso estabelecer protocolos objetivos. Esperamos que Rui e Neto possam sinalizar datas, nos próximos dias, para esse processo. Deus sabe de todas coisas, eu acredito que haverá uma diminuição – da ocupação de leitos de UTI como estabelece o protocolo”, completa. As informações são do jornal A Tarde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.