Secretários pregam cautela no ajuste de contas em Salvador

 

 

Reconduzido para a gestão do prefeito eleito Bruno Reis (DEM) no comando da Secretaria de Gestão (Semge), Thiago Dantas afirmou ontem que o início de 2021 servirá para a gestão municipal viabilizar a aquisição de vacinas contra Covid-19 e imunização da população soteropolitana. “Tem um tempo que as coisas precisam acontecer, fiquem disponíveis para colocar um ponto final nisso. Nos próximos seis meses, colocar a vacina à disposição da população, não só a vacina, mas a logística, distribuir, aplicar, imunizar as pessoas”, destacou o titular da pasta.

Questionado sobre a possibilidade do reajuste salarial dos servidores municipais, em meio à queda na arrecadação de impostos pelo município, o secretário evitou fazer qualquer previsão e reafirmou que este processo será feito como de costume, por meio do “diálogo”. No entanto, o secretário reconheceu a dificuldade em razão da crise sanitária do novo coronavírus, que prejudicou diretamente os cofres públicos com a retração da economia e o fechamento do comércio. Segundo Dantas, será preciso analisar as contas públicas nos próximos meses para poder bater o martelo. “Nesse momento a gente não especula nenhum elemento sobre esse processo de negociação salarial. A Prefeitura sempre que as condições estavam presentes, sempre fez um gesto de valorização para o servidor. Naturalmente que, neste ano, com a pandemia, a necessidade de buscar financiar despesas que não estavam previstas, eventualmente alguma queda na

arrecadação, esse balanço, esse equilíbrio, vai ser avaliado ao longo dos primeiros meses para pensar quais as soluções possíveis para a área”, concluiu.

SEM AUMENTO – O novo secretário de Mobilidade Urbana de Salvador (Semob), Fabrizzio Muller, reafirmou que não haverá aumento de tarifa no transporte público na capital nos primeiros dias de janeiro até que um grupo de trabalho seja criado para analisar o sistema de transporte na cidade emita um parecer sobre a viabilidade ou não do aumento tarifário. A análise levará em conta as contrapartidas oferecidas pelas empresas de ônibus em Salvador.

“O Prefeito eleito Bruno Reis já se posicionou em relação a isso. Apesar de ser contratual [o aumento], é necessária uma contrapartida. A prefeitura criou um grupo de trabalho que está analisando isso. No início do ano não [aumento], nos primeiros dias do ano não, até que o grupo de trabalho tenha um posicionamento mais correto acerca do assunto”, explicou.

Muller afirma ainda que uma das suas primeiras ações à frente da pasta será resolver o problema da intervenção realizada pela prefeitura de Salvador em uma das concessionárias que opera na cidade, que está sendo gerida pelo município desde junho, de forma que “não impacte no serviço à população”, mas que seja resolvido “o mais rápido possível”. As informações são do jornal Tribuna da Bahia.

Faça seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *