“A ideia é que DEM e PDT façam um trabalho conjunto em Salvador”, diz ACM Neto

                                                                           Foto: Valter Pontes/Secom

 

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), sinalizou, ontem, que o PDT pode integrar a chapa de Bruno Reis (DEM) ao Palácio Thomé de Souza. Nos bastidores, há o comentário de que a “chapa do coração” de Neto é Bruno na cabeça e o secretário municipal de Saúde e deputado estadual licenciado Leo Prates, como postulante a vice. Nesta semana, Prates teve a autorização da Justiça Eleitoral para deixar o DEM e migrar para o PDT. Neto afirmou que a sua intenção é de que os dois partidos façam um “trabalho conjunto” na capital baiana.

“O Democratas é hoje um partido que tem condições de conversar com várias correntes ideológicas do país. Eu diria que, da centro-esquerda até a direita, nós temos diálogo com diversos partidos. O PDT é um deles. Talvez, a gente consiga produzir alianças em algumas capitais. Estamos falando aqui da candidatura do meu atual vice-prefeito Bruno Reis em Salvador. O PDT está trabalhando o nome do meu secretário de Saúde, que é o deputado estadual Leo Prates. A ideia é que a gente possa tentar fazer um trabalho conjunto. Em São Luiz do Maranhão, Fortaleza, nós estamos dialogando. E pode se de estender para outras cidades”, declarou.

O prefeito fez questão de ressaltar ainda que um acordo agora entre o DEM e o PDT não é sinal de aliança para a eleição de 2022. “Isso não significa dizer que automaticamente haverá um alinhamento entre Democratas e o PDT para o futuro. Por enquanto, o que está em discussão é a eleição municipal”, frisou. Ainda na entrevista, ACM Neto, que é presidente nacional do DEM, afirmou que seu partido não será “barriga de aluguel” do presidente Jair Bolsonaro, que ainda não conseguiu viabilizar a criação de sua sigla “Aliança Pelo Brasil”.

O prefeito soteropolitano também reiterou que não há “alinhamento automático” com o governo Bolsonaro. “Nós somos a favor da agenda do Brasil. O Democratas foi decisivo ao longo de 2019 para a aprovação da reforma da Previdência. Sempre que o governo precisou do nosso partido de maneira responsável, nós o apoiamos. Porém, isso não quer dizer que há alinhamento automático”, ressaltou.

Sobre a inauguração do Centro de Convenções, que acontece hoje, Neto justificou a decisão de não convidar o governador da Bahia, Rui Costa (PT), para o evento. “Eu confesso que ele não vai por dois motivos. Primeiro o governador está se recuperando de um procedimento cirúrgico que fez. E depois porque a gente evitou procurar o constrangimento. A gente tem uma relação civilizada. Tem um respeito de lado a lado. Nós nunca permitimos que as diferenças políticas prejudicassem a população. Em relação ao Centro de Convenções, o governador não mostrou muita simpatia, porque o governo do estado tinha um Centro de Convenções que veio a desabar. E o governo esperou muito tempo. Não apresentou uma solução e a prefeitura foi lá e resolveu. Eu acho que isso, de certa forma, incomodou um pouco o governo do estado. Para evitar qualquer constrangimento, o governador não estará presente neste ano. No entanto, isso não prejudica as relações institucionais que precisam acontecer entre prefeitura e governo do estado”, pontuou.

Neto ainda brincou e disse que não pretende “roubar” eventos de Pernambuco com o Centro de Convenções. “Pelo amor de Deus, gosto muito de Pernambuco e dos pernambucanos, mas já começamos aqui com uma pauta bem intensa, bem recheada. Só nesses primeiros 20 dias do ano já foram confirmados 30 eventos para 2020 e a pauta ainda está em aberto e outros eventos estão sendo negociados”, afirmou. As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Jornal, de Pernambuco. As informações são do jornal Tribuna da Bahia.

Faça seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *